23ago

Livro: O Vilão (Saga dos Reinos #4)
Autor(a): Josiane Veiga 
Páginas: 220
Publicação Independente, 2017
Adicione o livro no skoob * compre o e-book na Amazon Br

SINOPSE: Seria o amor capaz de curar feridas tão profundas?
Quando o Rei Iwan de Masha herdou o trono, a lei que punia os bastardos pelos pecados de seus pais foi extinta. Por conta disso, Norman, um rapaz destruído pelos castigos anteriormente praticados contra si, é reconhecido como filho único do lorde mais abastado de Masha.
Levado das masmorras até a nobreza, ele se torna o novo senhor de Nunemesse, a região mais quente dos reinos. Contudo, em si, tudo que restou foi o ódio. Anos e anos de apedrejamento, clausura e tortura o tornaram alguém seco e cruel. 
Nesse ínterim, Melissa, uma jovem ignorada e subjugada, é lhe dada em casamento. Porém, como a simplicidade do amor poderia competir com a maldade e a dureza de um coração tão perturbado?

**********

Oi, oi, meus amores! Adivinha quem deveria está transcrevendo o Mito da Caverna de Platão para os dias atuais e está aqui escrevendo mais opiniões sobre literatura não acadêmica? Eu, euzinha aqui. Já que eu volto para Introdução à Filosofia, mas antes quero falar de mais uma saga de nacionais que envolve magia, deuses, reis e bastardos, e uma pitada de sensualidade. A Saga dos Reinos de Josiane Veiga já possui vários fãs e eu cai de paraquedas nela quando comprei O Vilão (e depois percebi que ele era o #4) e bateu a bad mas depois fiquei feliz pois é uma saga que há uma cronologia em que você pode ler as histórias independente disso (e para mim que no momento tenho muita leitura acumulada e não posso iniciar séries foi maravilhoso!). E sim, você pega spoilers dos livros anteriores mas é como eu disse: pode ler sem preocupações se o seu caso for igual o meu.

Josiane Veiga criou esse mundo de reis e rainhas que têm seus deuses, há a trindade (Masha, a deusa ruiva, Bran, o deus branco de cabelos pretos, e Cashel, o deus negro) e cada deus possui seu próprio reino e povo. Antigamente era proibido aos povos dos reinos se misturarem, pecadíssimo haver mestiços e eles eram considerados imundos (o primeiro livro trata desse aspecto), mas a lei mudou e como o clero não podia mais “odiar” os mestiços eles foram para os bastardos (Livro #2 e #3) e é aqui que entra nosso carimbo de hoje. O Vilão se passa nessa época em que os bastardos têm os seus direitos de filhos legítimos estabelecidos.

Norman passou praticamente vida toda trancado em um calabouço por ser quem é, filho ilegítimo de um nobre.

Aos oitos anos de idade, uma criança não entende exatamente o que move homens loucos pela fé.

Desde os 8 anos ele não vê o mundo, e a única coisa que o mantém vivo é a lembrança da morte de sua mãe.

E, como uma pequena fagulha de fogo tocando o feno, aos poucos o ódio era tudo o que fomentava seu coração.
O ódio o manteve vivo.
O ódio fê-lo jurar vingança.

Uma febre misteriosa se alastra por Nunemesse e morre Mahon (Pai de Norman) e seu filho legítimo, sem falar que o povo passa fome e a colheita de algodão foi um fracasso. Quando o emissário do rei chega a Nunemesse e encontra tudo um caos ele pergunta se não há mais filhos de Mahon para assumir o controle, e para desgosto de Aran – assassino da mãe de Norman – é revelado ao emissário que há um filho bastardo e isso priva Aran de seus sonhos gananciosos de poder.

Norman vira o novo lorde de Nunemesse e inicia seu plano de vingança. E para tal a doce Melissa, filha do odioso Aran, será a parte principal do seu plano. Em uma troca de favores entre os dois Melissa é dada em casamento a Norman. A única coisa que ele quer dela é um filho, sua morte e também a de seu pai após o nascimento do herdeiro.

Aquele homem não era um príncipe, e ela não era uma princesa. Seria ela uma bruxa? Seria ele um vilão?
Haveria finais felizes para pessoas tão vazias quanto aqueles dois jovens?

Melissa, apesar de ser filha de quem é,  é altruísta, bondosa e ajuda todos os mais pobres do feudo quando estão adoentados ou necessitados, tudo nela irradia leveza e ela já estava conformada em nunca se casar, então é muita surpresa seu casamento imediato com alguém que nunca viu e que parece ser muito mais cruel que seu terrível pai. De um lado uma moça adorável e que tenta a todo custo mudar o mundo para melhor, e do outro alguém amargurado e que se considera um vilão. Quem sairá vencedor?

Gosto do que a autora fez nesse livro, sinto que toda a saga dos reinos é tão boa quanto O Vilão é. O livro não tem derrapadas na revisão, a autora demonstra um domínio muito bom do mundo que ela criou e só acho que é um livro muito curto, curto demais até! Acho que lá no fundo eu esperava mais embates e mais emoções, não que o livro não tenha emoção (e como tem) mas como a narrativa é ágil e o tempo se passa bem rápido eu confesso que senti falta dessa desaceleração no enredo. Engraçado, não é? Na minha última resenha – do livro Um Bebê de Conveniência – eu relatei que estava achando tudo muito lento demais e carecia de um tantinho mais de agilidade e aqui em O Vilão já achei justamente o contrário. Não acharia ruim mais e mais páginas desse quarto livro da saga dos reinos.

O bom é que você termina a leitura bem rápido e já pode correr para se atualizar nos outros livros da saga. E é óbvio que tem muita situações a mais no enredo (não é apenas esse casamento arranjado e essa vingança) há a crença, há o grande Rei e há os deuses. Escolhi não falar deles para ninguém pegar spoilers caso queira começar a saga do início. Eu recomendo a leitura, viu?! Gostei do que li de verdade e meu único pesar é só o desenvolvimento que na minha leitura foi muito apressado mesmo.

Quer saber mais da saga? Abaixo há links clicáveis para você ficar por dentro de tudo!:

Livro 1: Esmeralda
Livro 2: Avassalador
Livro 3: Arrebatador

Beijo grande e até a próxima.

Deixe seu comentário 9 comentários

Veja também os posts relacionados à esse

Comente via Facebook

Deixe seu comentário

9 Comentários

  • Marlene Conceição de Jesus
    set 03, 2017

    Oi Jhey.
    Essa é a primeira vez que vejo falar desse livro.
    Porém achei a premissa bem interessante, fiquei feliz em saber que a autora não se perdeu em relação ao livro,m isso me deixou bem animada, é uma pena que achou que o livro poderia ser maior, conheço esse sentimento.
    Bjs.

  • Any
    set 01, 2017

    Oi, Jhey!
    Desde que vi o lançamento de O Vilão eu venho babando por essa capa… gente, é muito linda 😍
    Sou louca para ler essa série da Josiane Veiga mas ainda não tive a oportunidade, espero corrigir isso futuramente, quero muito conhecer a historia de Norman e de Melissa!

    • Jheyscilane Cavalcante
      Jheyscilane Cavalcante
      set 01, 2017

      Hahaha que capa, não é? *Abana*

  • Nayane Evylle
    ago 27, 2017

    Não conhecia a série e adorei a ambientação. Curto essa ambientação de deuses e não sei se gostei da autora ter colocado os mestiços como algo ruim, mas espero que o teor tenha sido de crítica, apesar de ser fantasia.
    No mais, achei legal a premissa e entendo quando a gente quer que o livro tenha mais e mais páginas porque não queremos que termine nunca *-*

    • Jheyscilane Cavalcante
      Jheyscilane Cavalcante
      ago 27, 2017

      Sim, teor de crítica. O mundo é fantasioso e há o clero que acha que pode fazer essas diferenciações. Inclusive os protagonistas dessa série não são convencionais.

  • Marcelle Marques
    ago 25, 2017

    Só pelas citações, já parece que o livro é bem escrito. E eu acho ótimo quando livros de séries podem ser livros independentemente.

  • Lana Silva
    ago 24, 2017

    E tão bom quando embarcamos em uma leitura do qual não conhecemos muito sobre o assunto e acaba gostando, se envolvendo na trama. Eu ainda não conhecia está série, e fiquei surpresa por se tratar de Deuses, reis, rainha, vingança, mas como este enredo também esperava que houvessem mais ação e emoção do que pareceu haver. Fiquei muito curiosa para saber qual será o desfecho desta estória.

    Participe do TOP COMENTARISTA de AGOSTO, para participar e concorrer Ao livro “Dois Mundos”, o primeiro da série “Tesouros da Tribo de Dana” da escritora Simone O. Marques, publicado numa edição linda pela Butterfly Editora.
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

  • rudynalva
    ago 24, 2017

    Jhey!
    Embora não goste muito de livros com o tema vingança, até entendo o motivo do protagonista para tal.
    Como gosto do estilo e tem Deuses, um casamento arranjo, a crença no novo Rei, tudo isso aguçou minha curiosidade e gostaria de poder fazer a leitura.
    “…Aceite com sabedoria o fato de que o caminho está cheio de contradições. Há momentos de alegria e desespero, confiança e falta de fé, mas vale a pena seguir adiante…”(Paulo Coelho)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

  • Patricia FQ
    ago 24, 2017

    Quando gostamos do livro é assim, sempre falta páginas, não sei o que acontece..
    Gosto de fantasia e essa parece ser muito boa mas a série é bem grande, este é o quarto e ainda não acabou. Estou vendo que este Norman vai quebrar tudo no poder, tb né, nada como a vingança p/ corromper as pessoas.