Posts arquivados em: Tag: Passaporte em série

16set

Bom dia, galera!

Estou ressuscitando essa coluna especialmente para essa série que se tornou uma das minhas queridinhas. A Rainha do Sul exibida aqui no Brasil pelo canal Space tem a brasileiríssima Alice Braga no papel principal e vem angariando bons elogios na mídia. Continue lendo
Deixe seu comentário 3 comentários
25set

[24 de Setembro de 2015]

Hey leitores! Antes de mais nada não se preocupem ainda estou viva só que meu tempo tá curtíssimo, porém nem tudo vai mal e vem coisa boa em breve aqui no PL! Isa, essa moça bonita da foto aqui do lado com os livros da Meg Cabot vai voltar ao blog por esses tempos!!! E enquanto nos organizamos nos bastidores (somos chiques cof cof) vamos de Passaporte em Série e minhas impressões dos dois primeiros capítulos da esperada Scream Queens que estreou aqui no Brasil simultaneamente com a estreia mundial dela nos EUA.

Scream Queens é do mesmo criador de Glee e American Horror Story, a primeira não assisti e AHS eu comecei pela quarta temporada e não foi uma das melhores (na verdade foi um tanto decepcionante pois sempre ouvi elogios intensos à American Horror Story e esperava algo a altura desses elogios) porém ouvi dizer que as duas primeiras temporadas são primorosas e que vale a pena ver.
Assim como AHS cada temporada de Scream Queens focará em uma trama nova com atores diferentes ou até mesmo com os mesmos atores em roupagens diferentes, ou seja, ela é mais uma para o time das famosas séries antológicas.
Essa primeira temporada será centrada em uma série de assassinatos que ocorrem em um campus universitário. E apesar da menção ao “terror” e “horror” pelo trailer dá para perceber que a comédia será predominante. E o trailer não engana viu? É muita zoação e me vi gargalhando com algumas cenas e falas de praticamente todos os personagens nesses dois capítulos de estreia. E também percebi que esse esse é o propósito da série: divertir quem assiste.

Vejam o trailer e saibam do que estou falando:

Assistam em HD pois as cores das fontes/letras escolhidas pelo guri que traduziu se desfocam em qualidade menor.

Não dá para falar muito pois a série está muito no início mas percebi pelos dois capítulos que ela é uma série que pode durar muito por sempre estar se renovando seja no casting com atores “famosinhos” como pelo enredo novo a cada temporada.

Não vou entrar em detalhes quanto ao casting de atores pois não sou versada no assunto e não vejo porquê ficar falando de ator/atriz aqui no blog, mas para quem curte tem carinhas bem conhecidas do meio do entretenimento mundial como Emma Roberts, Ariana Grande e a talentosa da Jamie Lee Curtis (amo essa mulher em todo tipo de filme por mais zoado que ele seja) e tem também a Abigail Breslin e outros bem conhecidos.

Scream Queens ganha o selo de divertida! Agora se ela vai ser uma mega série isso só o tempo e os capítulos restantes dirá. Ao final dessa primeira temporada eu prometo voltar ao Passaporte em Série e falar se realmente a série foi tudo o que prometeu.

Enquanto isso recomendo os dois capítulos de estreia para quem está a procura de algo divertido para ver. Fiquem com Deus que volto amanhã ou depois de amanhã com o livro que curou minha ressaca literária!

Até a próxima e um grande beijo.

Deixe seu comentário 19 comentários
18ago

[18 de Agosto de 2015]

Opa, voltei! O Passaporte Literário tava meio que abandonado desde sábado passado mas acho que foi por um bom motivo. Fui conhecer uma região das chapadas das mesas que ainda não tinha visto aqui no meu Maranhão e foi uma delícia de aventura e tive o prazer de conhecer muitas cachoeiras novas, cavernas, grutas e todo esse paraíso natural de meu mundão que Deus deixou. Lugar Perfeito! Então, quando vierem aqui no Maranhão além das dunas e da parte Norte do Estado venham para a região de Carolinas, Riachão e se maravilhem com as belezas daqui. Vamos deixar de conversa e vamos falar de séries! Quem assiste levanta a mão o/ o/

E eu só consigo pensar: Como assim nunca falei das minhas séries de televisão favoritas por aqui? Que relapso o meu! No post de hoje eu conserto esse esquecimento e trago meu TOP Five com as minhas séries preferidas (Penei para fazer esse post pois assisto bastante coisa e acabei deixando muita série boa de lado, porém a coluna Passaporte em Série vai voltar pelo menos uma vez por mês e prometo trazer todas as outras dicas nas próximas aparições da coluna).

Em uma pequena cidade rodeada por montanhas, os mortos saem de seus túmulos e começam a vagar pela região. Não apenas os seres humanos mas também os animais. A última lembrança que eles têm é do momento anterior às suas respectivas mortes. Alguns faleceram há pouco tempo, outros há anos. Agora eles buscam se reintegrar à sociedade que não compreende a razão pela qual esse fenômeno ocorre, aparentemente, apenas nessa cidade.

Les Revenants trata de um tema que é até bem explorado na literatura atual e em outras séries americanas (Vide Resurrection e The Returned, ambas canceladas. Depois farei um Passaporte em Série daquelas séries que eu acompanhava e foram canceladas). Les Revenants é pra mim a obra prima dessa história de “mortos que voltam”, a série é um primor de tensão e delicadeza. 

É uma série francesa que teve sua primeira temporada lançada em 2012 e é um excelente drama com atuações coesas e bem humanas que teve uma grande aceitação e foi anunciada uma segunda temporada para a minha alegria! Passaram-se uns anos e opaaa estamos em 2015 e parece que a segunda temporada sai em Outubro agora por um dos canais Max, obrigada Deus.
O bom é que para quem vai ver agora não vai ficar roendo as unhas e com um buraco no coração por conta da demora na saída da próxima temporada. Brincadeiras à parte, essa série é de uma sensibilidade poética gritante e é bastante misteriosa e interessante. Recomendo. Porém, deixo avisado que ela tem um ritmo um tanto mais lento e pode desagradar os fãs de séries mais enérgicas.
Situado em uma casa de campo inglesa em 1912, Downton Abbey retrata a vida da família Crawley e os empregados que trabalham para eles.
Downton é a casa do Crawleys, que têm sido os condes de Grantham desde 1772.
Nas galerias, biblioteca e belos quartos, com suas amplas janelas com vista para o jardim, vive a aristocrata família.
Mas sob as escadas, outros são os moradores – os empregados, tão possessivos e apegaos quanto seus patrões. Alguns deles são leais à família e comprometidos com Downton como uma forma de vida, outros estão de passagem, à procura de novas oportunidades, amor ou simplesmente aventura.
A diferença é que eles sabem muitos segredos da família, enquanto que a família pouco sabe deles.

Downton Abbey é aquela série que favorito todas as temporadas. Apesar de andar atrasada uma temporada eu não poderia fazer uma lista de séries favoritas e não citar essa preciosidade que é Downton Abbey. As atuações e ambientações dela são praticamente perfeitas e se você quer ver algo de qualidade sobre a vida da Aristocracia Britânica antes da derrocada desse estilo de vida nos anos 20 essa é a sua série. E para minha tristeza foi anunciada uma sexta e última temporada.

Situada 97 anos no futuro, a história mostra uma civilização destruída pela guerra nuclear. Quando ocorreu o holocausto, cerca de 400 pessoas viviam em doze estações espaciais internacionais. Eles se tornaram os únicos sobreviventes da raça humana. Com o passar dos anos, novas gerações surgiram e agora eles são 4 mil habitantes que se amontoam na Ark, nome dado às doze estações que se uniram.

The 100 é uma das queridinhas do meu irmão e assisti por indicação e já não esperando muita coisa de uma produção da Warner (Ultimamente da Warner só assisto Arrow e abandonei todas as outras, vou fazer também um Passaporte em série das abandonadas pois a vida é muito curta para assistir séries sem graça); The 100 é aquela coisa que quando você ver já está ansioso por mais e mais capítulos, por ter um elenco que se passa por adolescentes eu pensei que ela seria aquele eterno drama de “Ele não me ama” que a televisão e o cinema insiste em apregoar dos adolescentes, mas ela é uma série tapa na cara da sociedade e mostra uma luta pela sobrevivência e desejos de poderes muito bem arquitetada. Não vejo a hora de continuar assistindo. Terceira temporada chega em 2016.

Em Penny Dreadful, alguns dos personagens mais famosos e assustadores da literatura mundial, como o Dr. Frankestein e sua criação, o eternamente jovem Dorian Gray e icônicas figuras do romance Dracula, estão todos vivendo nos cantos obscuros de Londres Vitoriana.

Penny Dreadful é umas das belezas atuais quando se trata de séries de fantasia, horror e esse lado mais dark na televisão. Tem um elenco de primeira e todos trabalham perfeitamente nos trejeitos e traumas de seus personagens, a primeira temporada foi excelente e essa segunda veio para arrebentar tudo de vez e me deixou ansiando loucamente pela terceira temporada. Que venha 2016!

O novo drama será uma versão contemporânea da conhecida história, mostrando desde o início o relacionamento do agente do FBI Will Graham com o seu mentor Dr. Hannibal Lecter.

Não existe expressão melhor para descrever Hannibal que “mais que perfeita”. Se um dia chegassem até a mim e me fizessem escolher uma série para ver e abandonar todas as outras eu escolheria Hannibal. A produção dessa série é bem detalhada e a cada novo episódio eles te entregam não apenas um episódio para ser assistido mas sim uma viagem a um mundo sensorial amplo e totalmente novo. Cada cena e ato é um primor que beira ao paraíso das histórias. Os atores estão excelentes nos papéis e eu morro de amores pela dupla de Hugh Dancy e Mads Mikkelsen.
Hannibal é a minha favorita de todas as favoritas e meu coração doeu e ainda dói bastante quando foi anunciado que a terceira e atual temporada seria a última. Tudo que é bom dura pouco e deixo esse post com as palavras da usuária do filmow, Amanda: “A cada episódio que assisto dessa temporada meu coração literalmente erra umas batidas. É uma coisa incrível eu perco o fôlego com a intensidade da história. No entanto, também a cada episódio que se aproxima do final mais triste fico ao pensar como a humanidade será privada dessa obra de arte.”
Quero saber de vocês agora. Quais são as séries que vocês mais amam acompanhar? Como vocês veem estou ficando órfã de duas séries e necessito curar esse buraco (Estou dramática pois não me conformo com o cancelamento de séries tão bem primorosamente produzidas enquanto tem tantas meia bocas por aí sobrevivendo até uma légua de temporadas!). 
Grande beijo e até a próxima.
Deixe seu comentário 24 comentários
30jul
Composto de 13 episódios, dos mesmos criadores de Mestres do Horror, dirigida e escrita por profissionais de destaque no gênero, esta série tem somente uma temporada. Lembra bastante Além da Imaginação e Contos da Cripta, e acredito que agradará principalmente por ter muito terror psicológico.
Foi produzida pela NBC e gravada no Canadá. Todos os episódios são histórias independentes, com altos e baixos, porém muito interessantes. Seu título é derivado da famosa frase de Franklin Delano Roosevelt: “The only thing we
have to fear is fear itself
” (A única coisa que temos a temer é o próprio medo).
A abertura da série é ótima, a música (do vocalista do System of a Down) combinou com as imagens montadas, lembra American Horror Story, muito bem feita.

Continue lendo

POSTADO POR
Deixe seu comentário 15 comentários
17jan

Como prometido, Guerra dos Tronos (Game of Thrones, 2011) é o segundo carimbo no passaporte de seriados. A série da HBO é baseada na série de livros Crônicas de Gelo e Fogo (A Song of Ice and Fire) de George R. R. Martin.


Na mítica Westeros, sete importantes famílias lutam pelo trono.
Antes que a batalha comece descaradamente, as alianças são mais visíveis. Seja por casamento, afinidade ou por um herdeiro sob custódia, todos sabem com quem podem contar – e que não podem confiar nos Lannister, apesar de haver uma certeza a respeito deles: “Um Lannister sempre paga suas dívidas”. Até que o rei dos Sete Reinos cai, as alianças estremecem… E começa a disputa pelo Trono de Ferro, com muito pouca certeza a respeito de quem é ou não é leal aos juramentos prestados.

“Na guerra dos tronos, ou você vence ou você morre.”

Cercei Lannister

Apesar dos diversos pretendentes, há quatro famílias com pretensões mais fortes: os lobos gigantes – Stark, os veados coroados – Baratheon, os leões dourados – Lannister e os esquecidos dragões – Targaryen. Cada uma dessas casas tem seus motivos para estar no comando dos Sete Reinos. O seriado dá mais ênfase aos Stark e aos Lannister, que são as principais famílias. Talvez a coisa mude um pouco na segunda temporada.

“O inverno está chegando.”

Lema da Casa Stark
 (e uma das mais marcantes chamadas da primeira temporada)
Os nortenhos sabem das coisas e, apesar da família mais poderosa estar voltada para o sul, os indícios mostram que o verdadeiro perigo está mais ao norte, para lá da Muralha, que separa o mundo civilizado dos selvagens, dos mitos não tão míticos assim e do eterno inverno que persiste naquele pedaço do mundo. No fim das contas, são os acontecimentos no Norte que amarrarão uma temporada à outra. Além da guerra pelos Sete Reinos, claro.

Guerra dos Tronos é mais do que um romance de capa e espada, com fascinantes intrigas políticas e inimigos que amamos odiar. Também tem sua dose de fantasia, mistério e suspense. O seriado tem algumas falhas de roteiro, que são mais suaves nos livros. Acredito que isso aconteça por causa do excesso de informação no pouco espaço. A primeira temporada tem 10 episódios de 50 minutos cada. A segunda temporada terá o mesmo número de episódios.

A segunda temporada deve começar em 15 de abril deste ano. Apesar de já estar lendo o terceiro livro da série (por isso, inclusive, falei pouco, não quero dar muitos spoilers), fico ansiosa para saber como retratarão os acontecimentos na telinha (que já nem é tão “inha” nos dias de hoje, né?). A lista de personagens importantes é relativamente extensa, então listarei o elenco e outros detalhes técnicos como faço no 16 Milimetros.

Ficha técnica

Diretores:

Alan Taylor (5 episódios, 2011-2012)
Brian Kirk (3 episódios, 2011)
Daniel Minahan (3 episódios, 2011)
Timothy Van Patten (2 episódios, 2011)
David Nutter (2 episódios)
David Petrarca (2 episódios)

Roteiristas:

David Benioff  (20 episódios, 2011-2012)
George R.R. Martin (20 episódios, 2011-2012)
D.B. Weiss (20 episódios, 2011-2012)

Elenco resumido:

Lena Headey … Cersei Lannister (12 episódios, 2011-2012)
Jack Gleeson … Joffrey Baratheon (12 episódios, 2011-2012)
Michelle Fairley … Catelyn Stark (11 episódios, 2011-2012)
Emilia Clarke … Daenerys Targaryen (11 episódios, 2011-2012)
Iain Glen … Sor Jorah Mormont (11 episódios, 2011-2012)
Sophie Turner … Sansa Stark (11 episódios, 2011-2012)
Maisie Williams … Arya Stark (11 episódios, 2011-2012)
Alfie Allen … Theon Greyjoy (11 episódios, 2011-2012)
Peter Dinklage … Tyrion Lannister (11 episódios, 2011-2012)
Sean Bean … Eddard Stark (10 episódios, 2011)
Nikolaj Coster-Waldau … Jaime Lannister (10 episódios, 2011-2012)
Aidan Gillen … Petyr Baelish (10 episódios, 2011-2012)
Kit Harington … Jon Snow (10 episódios, 2011-2012)
Isaac Hempstead Wright … Bran Stark (10 episódios, 2011-2012)
Jason Momoa … Khal Drogo (9 episódios, 2011)
Richard Madden … Robb Stark (8 episódios, 2011)
Rory McCann … Sandor Clegane (8 episódios, 2011)
Julian Glover … Grand Maester Pycelle (8 episódios, 2011)
Amrita Acharia … Irri (8 episódios, 2011)
Mark Addy … Robert Baratheon (7 episódios, 2011)
Donald Sumpter … Maester Luwin (7 episódios, 2011)
Conleth Hill … Lorde Varys (7 episódios, 2011)
Jerome Flynn … Bronn (6 episódios, 2011)
Ian McElhinney … Barristan Selmy (6 episódios, 2011)
Susan Brown … Septã Mordane (6 episódios, 2011)
Mark Stanley … Grenn (6 episódios, 2011)
Josef Altin … Pypar (6 episódios, 2011)
Luke McEwan … Rast (6 episódios, 2011)
Dar Salim … Qotho (6 episódios, 2011)
Roxanne McKee … Doreah (6 episódios, 2011)
Elyes Gabel … Rakharo (6 episódios, 2011)
Harry Lloyd … Viserys Targaryen (5 episódios, 2011)
James Cosmo … Jeor Mormont (5 episódios, 2011)
Jamie Sives … Jory Cassel (5 episódios, 2011)
Francis Magee … Yoren (5 episódios, 2011)
Gethin Anthony … Renly Baratheon (5 episódios, 2011)
John Bradley … Samwell Tarly (5 episódios, 2011)
Charles Dance … Tywin Lannister (5 episódios, 2011-2012)
Kristian Nairn … Hodor (5 episódios, 2011)

Prêmios:

9 nomeações e 2 Emmys.

Alguns pôsteres (não resisti) 

  
   
POSTADO POR
Deixe seu comentário 12 comentários
03jan
Eis meu primeiro carimbo no passaporte de seriados para TV do Passaporte Literário. A ideia é que hajam dois textos por mês nessa sessão, no entanto a disponibilidade de tempo pode fazer com que as coisas se arrastem um pouquinho. A velocidade com a qual acompanho as séries também.

Ia começar com Game of Thrones (Guerra dos Tronos), cuja primeira temporada acabou recentemente, no entanto estou terminando de assistir Wilfred, com o Elijah Wood (Frodo, O Senhor dos Anéis) e acho que vale a pena ser comentada.
Principais personagens
É uma comédia com episódios de meia hora e é exibido pelo canal de TV paga FX, às 23h dos domingos. Em muitos momentos, não é uma “comédia rárá” e sim uma daquelas que te coloca para pensar. Aliás, há momentos em que não é tão comédia assim e simplesmente te coloca para pensar. Wilfred é uma série inteligente, que tem umas sacadas fenomenais (como a história de Jesus, no penúltimo capítulo).
O personagem-título é um cachorro. No entanto, Ryan (Elijah Wood) o vê como um cara barbudo fantasiado de comportamento absurdo com quem tem conversas ligeiramente malucas. Será Ryan simplesmente louco ou é apenas o nonsense da série? Pouco importa, o caso é que Wilfred (Jason Gann) faz da vida de Ryan um inferno muito divertido, ao mesmo tempo que o ajuda a colocar as coisas nos trilhos.
Além dos atores já citados, a série conta com Fiona Gubelmann como a bela vizinha Jenna, dona de Wilfred, e Dorian Brown como Kristen, irmã controladora de Ryan. Os diretores são Randall Einhorn e Victor Nelli Jr.
POSTADO POR
Deixe seu comentário 16 comentários